strong, b { font-weight: 700; } -->
--- menu fixo original ---

[RESENHA] Por lugares incríveis, de Jennifer Niven


Estou passando por um luto literário, porque chamar de ressaca parece pouca coisa para o estado que este livro me deixou. Por lugares incríveis conta a história de Theodore Finch, um adolescente de 17 anos que sofre com transtornos psicológicos, como a depressão. O livro começa quando Finch, um belo dia, resolve subir até a torre de seu colégio para se jogar e acabar de vez com todas as suas angústias. No entanto, quando está na beira do parapeito repara em uma menina ao seu lado e um pouco mais afastada, olhando para baixo com olhos amedrontados.

"A verdade é que eu estava mesmo doente, mas não com uma simples gripe. De acordo com a minha experiência, as pessoas são muito mais compreensivas se conseguem ver a sua doença, e pela milionésima vez na vida eu desejei ter sarampo ou varíola ou alguma coisa facilmente verificável só pra ficar fácil pra mim e pra todo mundo." (p. 21)

Violet era uma das meninas populares da escola, pelo menos até sofrer um acidente de carro e acabar perdendo sua irmã (e melhor amiga), Eleanor, que estava ao volante. Finch acaba desenvolvendo um sentimento de compaixão e cumplicidade pela garota, então começa a conversar com ela para tranquiliza-la e fazer com que ela retorne para dentro do prédio. Violet, por sua vez, quando já está fora de perigo convence Finch a voltar com ela para solo firme.

A partir daí a ligação entre eles acaba crescendo por insistência de Theodore, que fica obcecado pela Violet quando percebe que ela também entende, ao menos que um pouco, o sentimento de estar tão cansado a ponto de parar de se importar com os outros e querer apenas paz. Confesso que logo nas primeiras linhas já estava apaixonada por Theodore Finch, mesmo ele muitas vezes dando uma de maluco perseguindo a Violet para todos os lados.

"(...) estamos todos sozinhos, presos num corpo e na nossa cabeça, e qualquer companhia que temos na vida é passageira e superficial (...)" (p. 232)

O livro é dividido entre capítulos narrados por Finch e outros narrados por Violet. Apesar dessa divisão, que supostamente dá voz e destaque para ambos os personagens, é Theodore Finch que dá todo o charme, o cômico e trágico para Por lugares incríveis. Sendo assim, o ponto alto do livro com certeza é a personalidade e o humor negro e sarcástico de Finch, que ao mesmo tempo que apresenta inseguranças também é um garoto com muito autoconhecimento, tendo clara consciência de como seu humor, seu estado de espírito e seu cérebro funcionam. Mesmo não sabendo lidar muito bem com seu jeito excêntrico de ser.

A maior parte do livro é uma leitura leve, apesar do tema, e até engraçada. Porém, desde a primeira página, lá no fundo eu sabia que alguma coisa ia dar errada e fui devorando o livro até chegar na parte em que meu coração ficou estraçalhado em milhões de pedacinhos. E, sim, eu que sou muito difícil de chorar, debulhei-me em lágrimas. Agradeci por ter lido em casa, sem ninguém para presenciar minha choradeira. Quando terminei de ler Por lugares incríveis, tudo o que eu consegui fazer foi deitar na cama abraçada com o livro, puxar a coberta até a cabeça e ficar no escurinho, em posição fetal, processando tudo o que tinha vivido.

"Conheço a vida bem o suficiente pra saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira" ( p. 121)

O livro de Jennifer Niven, autora que vem para a Bienal do Livro em São Paulo, é uma leitura rápida, maravilhosa, porém trágica. Então se você está fugindo de leituras que mexam muito com seu psicológico, fuja deste livro. Por lugares incríveis é uma leitura que nos mostra a importância que um amigo, uma paixão pode ter para mudar as nossas vidas e nos ajudar a superar certos obstáculos. Não de forma dependente, a ponto do leitor terminar esta história achando que se encontrar alguém como Finch ou como Violet todos os seus problemas serão solucionados. Com certeza esta será uma das histórias que entrará na minha lista de melhores do ano, porém devo admitir que senti falta de personagens secundários mais marcantes e mais bem trabalhados.

CONVERSATION

1 comentários:

  1. Eu já conhecia esse livro a bastante tempo e desde então cada vez ele me interessa mais. Asssim que eu tiver tempo, pretendo le-lo.

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir

Voltar
ao topo