-->

[RESENHA] Além do tempo e mais um dia, de Lu Piras

Bonitões, hoje a resenha é de uma história mais do que especial. A L&PM cedeu para o Um Metro e Meio de Livros a cópia não revisada do livro da Lu Piras para que eu pudesse trazer para vocês uma resenha de primeira mão!

Além do tempo e mais um dia vai contar a história, em 1ª pessoa, de como Benjamin Gonzáles Delamy passou a ser parte, aos três anos, do 1% das pessoas que ficam paralíticas ao contrair o vírus da poliomielite espinhal (também conhecida como paralisia infantil). O livro é dividido em três fases da vida de Ben: criança, jovem e adulto. A que me conquistou mais, definitivamente, foi a fase criança, na qual o personagem nos conta quais foram suas motivações para espontâneamente decidir amputar suas duas pernas deformadas pela doença. Uma delas é poder realizar seu sonho de usar um All Star.


Também é nessa primeira parte que vemos as dificuldades que Benjamin teve para se adaptar a estudar em uma escola, já que até então tinha aulas em casa com os seus pais. Sua ida à escola foi um acordo feito entre eles: se Ben conseguisse frequentar a todas as aulas durante um mês, seus pais permitiriam sua biamputação (e nesta parte da história me lembrei vagamente do Auggie, de Extraordinário). Benjamin já contava que iria receber olhares tortos quando os outros alunos vissem um menino andando pelo colégio em sua cadeira de rodas. Mas não tinha como se preparar para os desafios que enfrentaria - acho que ninguém pode se preparar quando se trata de bullying.

"Cresci ouvindo muito a meu respeito, e para viver em paz comigo mesmo, tive que aprender a linguagem dos surdos." (p. 144)

Durante as aulas de Educação Física, por exemplo, os alunos começaram a reclamar que se sentiam incomodados com o aluno deficiênte assistindo suas atividades com olhar sonhador. Sendo assim, Benjamin começou a ser obrigado a passar seus tempos de Educação Física na biblioteca olhando os ponteiros do relógio avançarem lentamente, enquanto todos aproveitavam seu tempo ao ar livre. Em um desses dias, a Madre Superiora de sua escola lhe supreende ao presenteá-lo com um exemplar de Vinte Mil Léguas Submarinas, de Julio Verne.

O livro não foi para o menino apenas uma boa história de aventura, também despertou nele um interesse por estudar grandes mestres da ciência, como Newton e Eistein. E ao ler sobre a teoria da relatividade, decidiu que um dia iria correr além da velocidade da luz para ultrapassar a velocidade do próprio tempo. Foi a partir daí que decidiu: iria ser um velocista olímpico.

Uma personagem que também aparece nessa primeira parte da história e ganha grande importância, é a Angelina - a primeira aluna a falar com Ben sem olhá-lo com pena e que o trata como se fosse igual aos demais garotos de sua idade. Angelina conquista rapidamente a amizade de Benjamin e passa a apoiá-lo e ajudá-lo para que supere todos os desafios para alcançar o seu sonho. Também se torna um dos motivos para que o menino continue a frenquentar a escola mesmo tendo cumprido o acordo com seus pais.

"Pois dei o melhor de mim; e mesmo que meu melhor fosse um corpo pela metade, o meu coração estava inteiro naquele campo." (p. 100)

Angelina também passa a ser o tema central da segunda parte da história, quando os dois se reencontram depois de muitos anos sem se ver. E não vai ser surpresa para ninguém dizer que acontece um romance entre os dois. Um romance que, para variar, me irritou. Quem me acompanha por aqui há um tempo sabe que histórias românticas são difícieis de me agradar e esta não foi diferente, mas acredito que vai emocionar muitos leitores que gostam de histórias cheias de romances e declarações. Infelizmente, meu problema com essa segunda parte não foi só o romance, a personagem passou a não me agradar tanto. Faltou jogar um pouquinho de sal nessa garota.

Porém, felizmente a vida de Benjamin é marcada por muitas reviravoltas o que em alguns momentos deixa o romance em segundo plano. Apesar de não ter curtido muito a personagem Angelina, eu amei o personagem principal que não pensa duas vezes para enfrentar de cabeça erguida cada desafio, cada obstáculo que aparece em consequência da doença que teve. Benjamin nos mostra que nossas limitações existem somente em nossas mentes.

Apesar de eu ter lido uma cópia não revisada, encontrei poucos erros - em sua maioria de digitação - o que me surpreendeu bastante. A linguagem da Lu Piras flui e nos permite ler muitas páginas sem ver o tempo passar, no entanto, apesar de ser leve não é tão coloquial. Algumas vezes a autora nos supreende com palavras como ciceronear. Quanto à edição, não gostei muito da capa, não seria uma imagem que despertaria minha curiosidade, acho que só prestaria atenção por causa do título e de sua fonte.

"Até os fortes caem, mas só os fracos não se levantam." (p. 35)

Vacina contra a poliemielite!


A partir deste sábado, cem mil postos de saúde estarão disponibilizando doses gratuítas da vacina contra a poliemielite para crianças entre seis meses a cinco anos incompletos até o dia 31 de agosto! A vacina só é contra indicada para quem estiver com febre ou infecção. Desde 1990 que o Brasil não tem registro de novos casos da doença, mas é importante que as crianças continuem tomando a vacina para manter o país livre da polio. Então, procure um posto de saúde e leve sua criança! ;)

CONVERSATION

3 comentários:

  1. Nossa adorei esse livro! Quero tê-lo! Assim como com Ben, foi com Julio Verne que aprendi a gostar dos grandes mestres da ciência!

    Adorei seu blog!
    Abraços.
    http://www.oraculodeelfos.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Babi
    Não sabia o tema desse livro, conheço a Lu,já a entrevistei pro evento do blog mas seus outros livros não tem temas fortes assim. Vou ler com certeza até porque pretendo entrevistá-la ano que vem, acho o assunto extremamente importante, porque a vida é feita de muitos obstáculos e certamente de mais momentos ruins do que maravilhosos. Mas acredito que como disse na resenha de Feliz Ano velho o importante é sabermos lidar com as dificuldades, porque como diz minha mãe " nada é bom para sempre, e também nada é ruim para sempre!"

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Que privilégio ler o livro em primeira mão. É muito bom saber que não encontrou erros. Não sei se essa será a capa definitiva, mas ele conquista por ela. Sua resenha ficou excelente. Beijos, Érika

    ~www.queroseralice.com.br~

    ResponderExcluir

Voltar
ao topo