-->

RESENHA: Um gato de rua chamado Bob, de James Bowen


Desde que eu me entendo por gente eu tenho uma paixão incondicional por gatos. Eu era aquele tipo de pessoa que se você mandasse aquela pergunta ingrata "você prefere gato ou cachorro?" a resposta seria, "gatos!". Hoje, quem me conhece sabe, que uma das horas mais importantes do meu dia é quando eu chego em casa e sou recebida por um amor puro e concreto do Nescau, o cachorro Taz Mania.

Mas tenho que confessar que esses peludinhos ainda me fazem vomitar muito arco-íris! Adoro o jeito como eles são tão esnobes ao mesmo tempo que não sabem viver sem um carinho e uma coçadinha atrás da orelha. Então, quando fiquei sabendo sobre esse livro, eu já imaginava que não resistiria e trataria para casa esse laranjinha.

Bob é um gato de rua com um passado misterioso, mas que conquistou o coração de James Bowen, que é quem narra essa história. Bowen é um viciado em drogas em reabilitação na movimentada e linda maravilhosa meu sonho de consumo cidade de Londres. Para conseguir se sustentar, ele se apresenta todos os dias na entrada do metrô de Covent Garden com sua guitarra.


"Mostre-me a criança de 7 anos e eu lhe mostrarei o homem, dizem. Não estou bem certo do que alguém teria visto em meu futuro quando eu tinha 7 anos, mas certamente poderia ter adivinhado o que estava por vir quando eu tinha 17. Eu havia tomado o caminho da autodestruição." (p. 33)

Em um dia, voltando de mais uma apresentação, James encontra um gato laranjinha, um pouco maltratado, deitado no tapete de seu vizinho. Faz um carinho nele, mas acreditando ter dono, deixa-o ali deitado. No dia seguinte, James encontra o laranjinha deitado no mesmo lugar. E no outro dia e no outro e no outro e no outro. Até que decide ir de porta em porta por sua vizinhança - com o gatinho enroscado em seu ombro - perguntando se alguém o reconhece. E após escutar muitas negativas, Bowen decide levar o laranjinha para o seu apartamento, pelo menos até que ele esteja com a ferida na perna recuperada e um pouco mais bem tratado.

Nem preciso dizer que a estadia temporária de Bob acaba se tornando um lar, não é mesmo? Afinal, o gatinho de rua acaba ganhando um nome, Bob, e se torna uma peça fundamental na reconstrução da vida de James. Com Bob ao seu lado, o senso de responsabilidade de James cresce, uma vez que ele percebe que para que seu laranjinha tenha uma vida digna ele precisa estar bem. Por outro lado, Bob se torna o único responsável por transformar a vida de James em uma vida digna de orgulho.

"Se eu fosse um gato estaria na minha sétima vida." (p. 39)

Esse é um livro que mostra sem dó nem piedade o lado podre da humanidade. Perdi as contas de quantas vezes Bowen dá a entender ou fala diretamente que as pessoas tinham mais afeição por um gatinho ao lado de um maltrapilho do que pelo maltrapilho em si. E também o quanto o próprio James era ignorado, como se não existisse realmente, mostrando que preferimos fingir não ver aquilo que nos incomoda. Só para exemplificar, certa vez uma senhora chegou a perguntar o quanto James queria para que ela pudesse levar Bob para longe dele. E a resposta foi um rispido "Quanto a senhora quer pelo seu filho mais novo?"

"Viver nas ruas de Londres desnuda sua dignidade, sua identidade - sua totalidade, de fato. O pior de tudo, desnuda a opinião das pessoas a seu respeito. Elas veem que você está vivendo nas ruas e o tratam como uma não pessoa." (p. 36)

Porém, foi graças a essa atenção que Bob conquistou que James reconstruiu a sua vida e hoje deve estár faturando muito bem, obrigado. Um Gato de Rua Chamado Bob também é um livro que mostra como a simples companhia de alguém pode salvar vidas.

"É fácil vir com desculpas para o vício em drogas, mas tenho certeza de que sei a razão do meu. Foi a solidão pura e simplesmente" (p. 38)

Confesso que a história desses dois é muito tocante, não é à toa que esse livro já vendeu aos montes. Mas... por algum motivo, que eu não sei especificar, eu não fiquei tão envolvida na narrativa e não consegui estabelecer uma afinidade profunda com os personagens. Pode ser que tenha a ver com a forma com que James coloca os cães bull terriers como os malvadões e perversos inimigos. Nescau é um staffordshire bull terrier e é um doce de cachorro! Já desisti de listar a quantidade de coisas que esse cachorrão morre de medo (vassoura, barulho de telefone, malas de viagem e um briquedo dele que faz barulho são apenas alguns exemplos).

Como esse livro foi um dos livros selecionados para a II Maratona Literária #EUSOUDOIDERA a música que eu escolhi foi The Man in Black do Johnny Cash  por ser uma das tocadas durante as apresentações de rua de James Bowen:




E agora para vocês vomitarem arco-íris junto comigo,
um pouco do verdadeiro Bob:


CONVERSATION

18 comentários:

  1. Oi Babi, tudo bom?!
    Adorei o seu blog, não o conhecia ainda! Parabéns pela resenha, está muito bem escrita. Apesar de ter visto muito esse livro nas livrarias que frequento, nunca tinha reparado com muita atenção nele. Apesar de gostar de gatos e ter um em casa, evito livros com animais, porque choro horrores. Desde "Marley e eu" peguei um certo trauma por histórias com animais. Mas gostei muito do jeito que você abordou o tema central do livro na sua resenha e estou pensado em dar uma chance ao livro. Yupi!

    Beijos, Rob
    http://estantedarob.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Tudo ótimo e por aí?
      Olha, Marley & Eu é para acabar com o coração de qualquer um, também chorei horrores com esse livro, mas com Bob não derramei uma lágrima. Se puder, dê uma chance sim pro Bob, quem sabe ele não te conquiste? A história não é tão triste quanto a de Marley, acabe de um jeito bem feliz: com os dois conquistando uma vida melhor ;)

      beijos!

      Excluir
  2. Olá, conheci seu blog esta semana e estou amando, muito bom de ler. Bom, eu já vi o livro em varios sites, blogs e livrarias mas nunca parei para prestar atenção na história de fato, lendo sua resenha hoje me convenci de ser um ótimo livro . Eu nunca tive um animal preferido (entre gatos e cachorros), mas pela das circunstâncias do destino tive sete cães e apenas um gato( na verdade uma gata, e por pouco tempo) mas espero ainda ter um gatinho em casa. Beijos, até mais, parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu deus, 7 cães?! Caramba! hahaha

      O Nescau é meu primeiro cãozinho, gato eu não posso ter porque sou muito alérgica :/
      Fico muito feliz que tenha gostado do blog, Flávia! Espero que apareça mais vezes por aqui, vou adorar a visitinha ;)

      Beijão!

      Excluir
  3. Que demaisss! Parece muito bom. Estou para ler um parecido: "Um milagre chamado Grace". Esses livros que envolvem animais sempre deixam os olhos dos leitores marejados.

    http://escritordeconta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucas! Não conheço esse livro, depois vou procurar saber sobre ele!
      E com certeza, esses bichinhos sempre mexem com a gente e transformam nossas vidas, cada um de um jeitinho único.

      beijos!

      Excluir
  4. Como faz pra ter o livro agora as 23:38 da noite de domingo?

    Ain amei, sempre vi este livro na livraria mas nunca me interessei de fato, agora com sua resenha vi o quão valiosa será a leitura!

    Amo cachorros mas os animais como um todo também tenho certeza que vou adorar BOB!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como não gostar, Joi! ;)

      Excluir
  5. Apesar de adorar animais, não sou muito fã de tramas sobre eles. Na verdade, nunca li nenhum livro que o personagem central fosse um bichinho, mas também não tenho lá muito interesse. Nem sei explicar o porquê, simplesmente não me atraem. Acho que porque tenho a impressão de que se tratam de romances muito "água com açúcar", sei lá. Já vi muita gente falando bem dos livros do Bob, mas eu sinceramente não tenho muita vontade de lê-los. =S

    Beijinhos, Livro Lab

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, tambem tinha essa mesma impressão do Bob, mas resolvi dar uma chance e vi que não tão água com açúcar assim, o James fala de uma temática bem complicada e que tendemos a ignorar: os moradores de rua. Acaba não sendo só um livro sobre um bichinho, mas uma história de superação de vida ;)

      beijos!

      Excluir
  6. Mas gente ♥
    Esse é meu livro favorito, assim, os três Bob-livros são perfeitos. Você já leu o 2º e o 3º?
    Pois se não leu moça, leia. São muito bons!
    Parabéns pela resenha!

    http://voceetaolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainnn ainda não li! Vou colocar aqui na listinha, mas não sei se conseguirei ler tão cedo (a lista tá muito grande!)

      beijos!

      Excluir
  7. Eu sou apaixonado por esse livro, ganhei ele em um sorteio, e me encantei logo que li a sinopse. Bob é retratado quase como uma criancinha de oito anos no livro e, é lindo ver todo o significado que ele deu a vida do James.
    Eu adoro gatos, e assim como James retirei uma gatinha da rua apenas para que ela se curasse dos maus tratos, haviam jogado óleo de motor em todo o seu pelo, um pobre filhotinho de não mais que dois meses de vida. E assim como Bob ela foi ficando, ficando e hoje é o meu xodó, adoro minha vira latinha alvinegra.
    Não consigo entender como não se encantou pelos personagens, acho cativante a forma como James narra sua vida, e os momentos de sufoco que ele passou com Bob, nossa é impossível não se ver envolvido, torcendo pelos dois.

    Julielton Souza - Dialética Proposital

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julielton, é claro que me encantei com os personagens! O que eu quis dizer é que eles não me cativaram tanto, acho que mais pela forma como a história foi narrada. Não sei explicar, mas amei a história de superação dos dois e fico muito feliz em saber que você ajudou e deu um lar para uma gatinha que sofreu mals tratos! Queria eu poder salvar muitos gatinhos por aí, mas infelizmente não posso :/

      beijos!!

      Excluir
  8. Babi meu anjo, tudo bom??? Nossa, eu ainda não li esse livro e não fazia ideia do quanto verdadeiro, tocante e emocionante ese livro é... Como você dissse, ele livro mostra a verdadeira face do ser humano, é muito triste ver que ituações asim ocorrem no nosso dia-a-dia...Sua resenha ficou excelente, de uma sensibilidade incrível..parabéns..quero muito ler e ter esse livro...bjs

    ResponderExcluir
  9. Esse livro parece mesmo uma gracinha! Eu já conheço a história do Bob por causa da internet, e acho linda! Quanto à narrativa não ter te agradado muito, eu chuto mais um motivo: pelo menos para mim, esse tipo de história não funciona muito bem em livros. Já abandonei um livro sobre um gato porque não tinha muito conteúdo, a narrativa não andava. Mas tem um que eu recomendo muito, "Um leão chamado Christian".

    Gostei muito do seu blog. Comecei o meu com a mesma intenção que você: escrever sobre livros diferentes. Ou melhor, escrever sobre o que nós (eu e a amiga que escreve comigo) quiséssemos ler, sem se importar se é lançamento, se é pop etc. Se quiser, dá uma passadinha lá. :)

    Beijos,
    Bárbara
    www.blogsemserifa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não li "um Leão chamado Christian" mas conheço a história por causa da internet! E acho mega fofo e sempre tive vontade de ler, agora com certeza vou ler :)

      E com certeza vou acompanhar o seu blog! Quero ver várias dicas de livros diferentes, hein!

      Beijão!

      Excluir

Voltar
ao topo