strong, b { font-weight: 700; } -->
--- menu fixo original ---

RESENHA: Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios, de Marçal Aquino


Eu poderia começar essa resenha dizendo que esse livro é um romance. Poderia acrescentar também que é um romance conturbado. Porém, dizer esses simples fatos não conquistaria o coração de muita gente e com toda a certeza do mundo não vai passar o quão incrível é esse trabalho do Marçal Aquino.

Se eu não estiver enganada e se Wikipedia não estiver desatualizado, esse foi o último romance publicado do autor, que também é roteirista de cinema. A história é inicialmente narrada por Cauby, isso mesmo, igual ao cantor. Se você boiou tanto quanto eu com essa informação, clique aqui e descubra.

Cauby é um fotógrafo que de alguma maneira foi parar em uma cidade no interior do Pará. Um dia, enquanto estava revelando algumas fotos (na época em que tirar fotos era sempre uma mistura de mistério com espectativa - e algumas decepções, como dedos na frente da lente), Cauby se encanta por Lavínia, uma mulher dividida em duas.

Os dois compartilham a paixão pela fotografia, mas não demora para que outra paixão desperte entre eles. Uma paixão carnal, ardente e, acima de tudo, uma paixão companheira. Cauby percebe logo a peculiaridade de Lavínia. Um dia tímida e carinhosa, no outro selvagem, quase louca. Esse lado selvagem, o fotógrafo apelida de Shirley. Mas ao invés de simplesmente tentar mudá-la, ele a compreendeu e aceitou sua singularidade.

"Lavínia estava tão próxima que seu braço roçou no meu. Uma descarga elétrica. A fase das agulhas, como diz mestre Schianberg em seu livro. O momento em que os amantes têm a certeza de que algo vai acontecer em breve para saciar a fome que sentem, e saboreiam a espera, muitas vezes prolongando-a. Choques não são incomuns nessa etapa, sustenta Schianberg." (p. 136)

Tudo seria perfeito se não fosse o caso de Lavínia (e Shirley) ser casada com o pastor e dono da igreja da cidade. Aí, todo mundo já percebe que bem essa história não vai acabar, não é? Ou será que não? Eu sei que Cauby fez eu me jogar em sua história e em certo momento da narrativa não sabia mais quem estava narrando a vida de quem. Cauby poderia ter descoberto tantos detalhes da vida de Lavínia para narrá-la tão realisticamente? Ou seria um outro narrador? Não sei. E no fim, pouco importa.

O importante mesmo é que esse livro não aborda só um relacionamento complicado, porém, sincero. Aborda também questões da nossa sociedade, de famílias que não são estruturadas e de inocentes, que jovens, acabam encontrando as drogas e a vida nas ruas. Fala sobre como nós seres humanos somos tão complexos que acabamos simplificando e olhamos os outros pela metade. Julgando pela metade, querendo encaixar todas as cores em preto ou branco, em bom ou mau, e esquecendo que em uma foto preto e branca também há tonalidades de cinza.

"Não sei que nome você daria a isso.
Bem, não importa muito, chame do que quiser.
Eu chamo de amor." (p. 229)

Cauby aceita todas as tonalidades de cinza de Lavínia, incluindo até mesmo o seu transtorno bipolar. Mas não podemos esperar que todos aceitem e compreendam os distúrbios de cada um. Exatamente por a maioria das pessoas enxergarem as outras pela metade, que Chang - o fotógrafo "oficial" da cidade - é condenado por não resistir e se entregar ao seu distúrbio: a pedofilia.

Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios levanta questões polêmicas, nos faz refletir e perceber que ser pedófilo, religioso, sofrer com algum distúrbio psicológico não faz a pessoa ser inteiramente boa ou ruim. É difícil reconhecer que quem abusa de criancinhas também tem coração, mas tem. A não ser que a pessoa sofra de psicopatia.

"Minha vida não estaria completa. Porque nenhuma vida está completa sem um grande desastre (...)"
(p. 36)

Expor a dimensão de reflexão que Marçal Aquino nos proporciona com essa obra é um desafio. Porém, posso contar que mesmo agora (mais de um mês depois de ter lido), eu ainda paro e penso sobre Cauby, Lavínia, Ernani e Chang. Consigo enxergar todos os personagens com tantos detalhes que parece que eles são pessoas de carne e osso, e não de tinta e papel. Um dom, talvez, de quem trabalhou escrevendo roteiros. Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios tem adaptação cinematográfica, mas ainda não tomei coragem para assistir. Prefiro curtir os personagens que invadiram a minha imaginação.

CONVERSATION

10 comentários:

  1. Uaaal!

    byanak.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que resenha fantástica! Talvez seja pelo livro também ser fantástico, embora eu ainda não tenha tido coragem de ler. Pretendo compra-lo na bienal, e logo depois assistir ao filme.

    Obrigada por compartilha-lo conosco ^-^
    Beijos,
    Ana - Poesia Destilada

    Blog| Loja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ana! E aproveita a Bienal e compra sim, vale muito a pena :)

      Eu ainda to me preparando para o filme hahaha

      Beijos!

      Excluir
  3. Amei a resenha,, maravilhosa! Eu não conhecia a história, fiquei super curiosa para ler o livro!
    Amei o blog, já estou seguindo e dei um like na fan page :) Beijos, http://leiturasemfrescuras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ebaaaaaaaaaaaaaaa! Que bom Mariana, fico muito feliz quando as pessoas comentam que gostaram da resenha, faço de coração!

      Depois vou dar uma olhada no seu blog ;)
      Beijão!

      Excluir
  4. Faz um tempo que eu quero ler alguma coisa do Marçal Aquino, esse livro principalmente. Mas sempre deixo pra depois quando vou comprar alguma coisa. Essa resenha me deixou bem curioso, então, quando o dinheiro der, vou comprar (ver o filme também, mas só depois).

    delirandoeescrevendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que você vai curtir! Marçal arrasa! :)

      beijos!

      Excluir
  5. Oi Babi fiquei mega interessada =x os assuntos abordados parecem e são bem fortes mas quero ver como o autor vai abordar isso dentro do romance.

    Adorei a resenha Babi!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joi, eu espero realmente que você goste! O que eu acho mais incrível desse livro é ele mostrar quem nem todo mundo é bom e mau, sabe? Você se vê gostando de pessoas que se aparecessem no jornal e coisa parecida, você teria pensando "por que existe pessoas tão maldosas nesse mundo?!" É simplesmetne incrível, espero de coração que você goste :)

      Beijos!

      Excluir

Voltar
ao topo